Essa nota de R$100 pode valer até R$4.500; saiba como trocar

Essa nota de R$100 pode valer até R$4.500; saiba como trocar

Essa nota de R$100 pode valer até R$4.500; saiba como trocar

Indivíduos portadores de R$ 100 da Primeira Família Real, por exemplo, com as assinaturas de Malan e Ricupero e sem a frase “Louvado seja Deus”, podem ganhar até R$ 4.500.

A maioria dos brasileiros ainda não sabe, mas cédulas reais podem valer mais do que o que está impresso nos modelos em circulação. Nós explicamos!

Antes de mais nada, é importante esclarecer que nem tudo que está em circulação é de grande valor. Na verdade, a grande maioria vale o que representa, ou seja, R$ 10 valem 10 reais e R$ 100, claro, também valem 100 reais. No entanto, existem algumas características que agregam valor aos modelos e os fazem custar muito mais do que o valor anunciado. Experimente!

Entre os modelos, a rara nota de R$ 100 ganhou muito valor ao longo dos anos. Em suma, o modelo em causa apresenta um defeito de fabrico que o distingue das restantes notas em circulação. Além disso, as notas em questão são muito antigas e pertencem à primeira família de notas genuínas.

Afinal, qual nota de R$ 100 vale mais?


Primeiro, é importante esclarecer que o valor de mercado varia de acordo com o interesse do cobrador. Alguns fatores são, portanto, mais procurados e valorizam os modelos, como baixo número de estampas, defeitos de fabricação e estampagem e idade.

Em relação à nota de R$ 100, veja abaixo as principais características do modelo :

  • Cédula de R$ 100 da “primeira família” do real;
  • Ausência da frase “Deus seja louvado”;
  • Emissão em 1994, ou seja, no início do Plano Real;
  • Assinatura do ministro da Fazenda, Rubens Ricupero;
  • Assinatura do presidente do Banco Central, Pedro Malan.

Leia Também:

Quanto vale a nota de R$ 100 atualmente?
Primeiro é importante esclarecer que o atual Ministério da Economia se chamava Ministério da Fazenda na década de 1990. Naquela época, o chefe do passado tinha a função de assinar as cédulas das cédulas, assim como o Governador do Banco Central (BC). Embora esses itens fossem tão importantes na época, eles ajudaram a aumentar o valor da cédula para R$ 100.

Em resumo, no início da introdução do real, o Banco Central tinha algum plano de mudança presidencial em o país em 1994 Um desses presidentes foi Pedro Malan, que comandou o BC entre setembro de 1993 e janeiro de 1995, pouco tempo.

Enquanto isso, Rubens Ricupero foi ministro do governo de Fernando Henrique Cardoso entre março 30 e 6 de setembro de 1994, daqui a pouco mais de cinco meses. Nesse período, ele, junto com Malan, assinou as cédulas que circularam pelo país.

Nesse caso, apenas três séries receberam as assinaturas de ambos: 1199, 1200 e 1201. Desse modo, são justamente as cédulas dessas séries que possuem um valor muito alto. Ao mesmo tempo, a falta da frase “Deus seja louvado”, erro que passou despercebido, valorizou ainda mais as notas de R$100.

Seja como for, as pessoas que possuem uma cédula de R$ 100 da “primeira família” do real, contendo assinatura de Malan e Ricupero e sem a frase “Deus seja louvado”, podem faturar até R$ 4,5 mil. Para isso, a nota precisa estar em ótimo estado de conservação. E aí, você tem alguma dessa em casa?

Compartilhe este post:

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.