Moedas raras brasileiras: Coleção de R$ 1 poderá chegar a custar R$ 7 mil

Moedas raras brasileiras: Coleção de R$ 1 poderá chegar a custar R$ 7 mil

Moedas raras brasileiras: Coleção de R$ 1 poderá chegar a custar R$ 7 mil

Numismatas, colecionadores de notas e moedas raras podem pagar uma fortuna para ter seus tesouros nas mãos. Atualmente, muitos deles podem pagar até R$ 7.000 por apenas uma coleção de moedas de R$ 1.

Numismatas, colecionadores de notas e moedas raras podem pagar uma fortuna para ter seus tesouros nas mãos. Atualmente, muitos deles podem pagar até R$ 7.000 por apenas uma coleção de moedas de 1 real.

Para que uma moeda ou cédula seja considerada rara, é necessário estudar seu diferente número de exemplares, feitos pelo qual foram emitidos pelo Banco Central (BC) e seu estado atual. Os catadores podem obter todas essas informações no site da instituição.

Modelos raros de moedas

Normalmente, os modelos de moedas raras são aqueles que são estritamente limitados. Além disso, também é indicado o processo de fabricação, influenciando muito na preservação do objeto.

No site do Banco Central, os numismatas podem até encontrar orientações para a correta preservação das moedas. Em suma, o valor da moeda ou nota é determinado pela condição do que já é considerado um item raro.

Atualmente, é exigido que o objeto tenha pelo menos 70% dos detalhes fiéis, ou seja, H. o valor do item pode ser menor se tiver margem de desgaste superior a 30%. Esta regra também vale para as moedas de R$ 1 mencionadas acima.

Resumindo, essas moedas raras de R$1 referem-se a uma coleção inteira, totalizando 17 objetos. Em homenagem aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o BC lançou alguns modelos que representam as modalidades olímpicas como: natação, golfe, basquete, atletismo, entre outros.

Porém, entre estes existe um que é o mais desejável e pode valer até R$ 300. A moeda para entregar a bandeira olímpica, lançada em 2012, é a mais valiosa da coleção. As demais, emitidas em 2016, podem ser encontradas com valores entre R$ 8 e R$ 300.

Moedas de R$0,50 podem chegar a até R$ 700

Talvez a moeda de R$ 0,50 que você tem na carteira valha mais do que você pensa. Isso mesmo, alguns modelos raros valem muito mais do que apenas 50 centavos. E muitos colecionadores pagam centenas de reais para obtê-los.

Primeiro, é importante ressaltar que o banco central, responsável pela produção das moedas do país, produz novas unidades de forma uniforme. e sem erros. No entanto, há situações em que esse padrão não aparece e algumas moedas com defeito de fabricação chegam à população.

Talvez a moeda de R$ 0,50 que você tem na carteira valha mais do que você pensa. Isso mesmo, alguns modelos raros valem muito mais do que apenas 50 centavos. E muitos colecionadores pagam centenas de reais para obtê-los.

Primeiro, é importante ressaltar que o banco central, responsável pela produção das moedas do país, produz novas unidades uniformemente. E sem erros. No entanto, há situações em que esse padrão não aparece e algumas moedas com defeito de fabricação chegam à população.

Neste caso em específico da moeda de R$0,50, o modelo sofreu um grande erro de confecção: não possui o zero. Em resumo, o Banco Central realizou a produção de 40 mil unidades desse modelo, que circulou no país até 2012, quando o BC começou a retirar de circulação. No entanto, o banco não conseguiu encontrar todas as moedas.

Como o BC ainda não conseguiu recolher todas as unidades, alguns desses itens ainda estão no bolso ou na carteira de alguém, ou mesmo circulando pelo país sem que ninguém perceba o erro.

De qualquer forma, se um cidadão tiver a moeda há colecionadores que podem pagar até R$ 700 para tê-lo em seu acervo.

Moedas de R$0,50

Moedas com erros de fabricação ou cunhagem costumam valer muito inicialmente entre os colecionadores. Isso se deve à redução em sua quantidade, e sua raridade atrai colecionadores devido ao seu potencial histórico e cultural.

Como o processo é puramente aleatório, o erro nas peças costuma ser estimado. No entanto, calcular o valor real de uma peça é bastante complicado, ainda mais quando não há informação sobre a edição ou ano de edição.

Então o que mais pesa na determinação do valor de um modelo é a sua quantidade . no mercado. Ou seja, quanto menos unidades em circulação, maior o critério de raridade e, portanto, o valor.

Finalmente, os colecionadores também avaliam o estado das peças. Se os modelos estiverem em boas condições, o valor de mercado pode ser ainda maior.

Compartilhe este post:

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.