Quem perdeu o emprego pode receber Auxílio Brasil? Saiba as regras

Quem perdeu o emprego pode receber Auxílio Brasil? Saiba as regras

Quem perdeu o emprego pode receber Auxílio Brasil? Saiba as regras

De acordo com o Ministério da Cidadania, qualquer cidadão pode entrar no Auxílio Brasil desde que cumpra os requisitos de entrada

Perder o emprego é um processo complicado em qualquer situação. Diante do cenário de piora dos índices de inflação, o fato pode se tornar ainda mais doloroso para o empregado. Nesse sentido, o cidadão que não recebe mais seu salário quer saber se pode pleitear benefícios sociais federais, como o Auxílio Brasil.

A resposta, segundo o Ministério da Cidadania, é sim. O comissário explica que qualquer cidadão brasileiro pode usar os governos federais Auxílio Brasil. Para isso é necessário cumprir todas as regras de acesso ao benefício. São eles: cadastro ativo e atualizado no CadÚnico e renda per capita equivalente ao cidadão em situação de pobreza ou extrema pobreza.

Se o cidadão seguir às duas regras acima, ele é elegível para receber o Auxílio Brasil. No caso de uma pessoa que perdeu o emprego, pode participar do programa se a renda per capita da família estiver entre R$ 0 e R$ 105. Pessoas com renda per capita entre R$ 106 e R$ 210 também podem se qualificar desde que morem com gestante ou menor de 21 anos.

Existem situações onde o cidadão perde emprego e ainda não pode entrar no Auxílio Brasil. Finalmente, alguns profissionais que trabalham não se preocupam em entrar no Cadunic. Além disso, também há situações em que, mesmo que você perca o emprego, sua renda per capita não atende aos requisitos do Ministério da Cidadania.

Por outro lado, há situações em que um cidadão pode se candidatar ao Auxílio Brasil mesmo tendo um emprego formal. Há casos em que nem o dinheiro do salário é suficiente para superar o limite exigido de renda per capita. Assim, ele pode continuar recebendo o saldo da obra e acumular o valor com o valor do Auxílio Brasil.

Como entrar no CadÚnico


A entrada no CadÚnico deve ser sempre feita pessoalmente. O Ministério da Cidadania afirma que as prefeituras de cada município são responsáveis ​​pelo processo de inscrição na lista do governo federal.

Por isso, o primeiro passo que um cidadão deve dar para entrar no CadÚnico é entrar em contato com a prefeitura para saber como funciona o procedimento por lá. Via de regra, as gestões indicam a visita a um centro de referência em assistência social (CRAS).

O governo federal anunciou recentemente uma atualização do sistema de aplicativos do CadÚnico. A partir de agora, os cidadãos podem iniciar a entrada na lista por lá, ou seja, remotamente, sem precisar sair de casa.

No entanto, o procedimento realizado no aplicativo é apenas o início do cadastro. O próprio governo federal afirma que o preenchimento do procedimento de ingresso no CadÚnico ocorre sempre presencialmente em local indicado pela prefeitura.

Ainda existe outra situação. Imagine um cidadão perder o emprego, mas já está no CadÚnico. O que efetuar nessa situação? O primeiro passo é verificar se os dados do cadastro estão atualizados para que o governo entenda a real situação do indivíduo.

Como regra geral, todo usuário do CadÚnico é obrigado a atualizar as informações do cadastro pelo menos a cada dois anos. Além disso, ele também deve atualizar a lista se houver mudança estrutural na família.

Quem precisar atualizar o sistema a tempo pode fazer o processo pelo aplicativo CadÚnico. Por outro lado, a alteração das informações deve ser efetuada no local indicado pela prefeitura.

Compartilhe este post:

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.